Quinta de Mosteirô

Sobre a Quinta

Sobre a Quinta

Vinhos com história

manuscrito

As referências mais antigas à Quinta de Mosteirô datam do séc. XII, porém o primeiro registo (conhecido) em que se referencia a produção de vinhos reporta a meados do séc XVI, na obra de Rui Fernandes “Descrição do Terreno ao redor de Lamego duas Léguas (1531-1532)”. De acordo com este documento, a Quinta de Mosteirô pertenceu e foi administrada pelos Monges de Cister de S. João de Tarouca. Os Monges Brancos (assim conhecidos em razão da cor do seu hábito) instalaram-se nos sítios mais férteis e aprazíveis do Douro, onde desenvolveram a cultura da vinha através da implementação dos seus métodos vitivinícolas, baseados num grande cuidado com a plantação das videiras e na escolha criteriosa das castas.

Segundo o mesmo documento, a qualidade do terreno e a elevada produção da Quinta de Mosteirô colocou-a entre as maiores quintas vinhateiras do Douro da época. Todo o vinho produzido na quinta era de elevada qualidade e como tal considerado na sua totalidade vinho de carregação. Os vinhos de carregação eram na sua grande maioria embarcados para exportação, alimentando um movimento constante que o tempo solidificou, e que se desenrolou ao longo dos séculos até aos nossos dias.


Douro, Portugal

A Quinta de Mosteirô fica situada no nordeste de Portugal, rodeada de montanhas que lhe dão características mesológicas e climáticas particulares, fazendo parte integrante da Região Demarcada do Douro (sub-região do Baixo Corgo), classificada pela UNESCO, em Dezembro de 2001, como Património da Humanidade na categoria de paisagem cultural.

Nesta região, banhada pelo Rio Douro, produzem-se vinhos há mais de 2000 anos, e é a origem de um dos vinhos mais famosos do mundo: o Vinho do Porto. A Região Demarcada do Douro é também mais antiga região demarcada e controlada do mundo a ser reconhecida. A sua criação iniciou-se no reinado de D. José I, pela māo do seu Primeiro-Ministro Sebastião José de Carvalho e Melo (futuro Marquês de Pombal), através da criação da Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro (por Lei de 1756).

Agricultura sustentável

qdm_sustainable_circle

O cultivo da vinha é feito respeitando as características do solo de forma a promover uma agricultura sustentável. Para isso, adoptámos o Sistema de Produção Integrada – um sistema agrícola de produção de alimentos de alta qualidade utilizando os recursos naturais e os mecanismos de regulação natural em substituição de factores de produção prejudiciais ao ambiente. Através da adopção de métodos agrícolas sustentáveis, juntamente com muitos outros cuidados com que cultivamos as nossas videiras, resulta a produção de uvas de elevada qualidade.